Governo é favorável à importação privada de vacinas, diz Bolsonaro

Foto: Reprodução | Nenhuma violação de direitos autorais pretendida.

Foto: Reprodução | Nenhuma violação de direitos autorais pretendida.

O presidente Jair Bolsonaro disse que o governo federal apoia a iniciativa de empres√°rios de importar, por conta própria, vacinas contra a COVID-19 para imunizar seus funcion√°rios. A afirma√ß√£o ocorreu durante participa√ß√£o, por videoconfer√™ncia, em um semin√°rio sobre investimentos na América Latina, realizado pelo banco Credit Suisse.

"O governo federal é favor√°vel a esse grupo de empres√°rios para levar avante sua proposta para trazer vacina para c√°, a custo zero, para o governo federal, para imunizar 33 milh√Ķes de pessoas. No que puder essa proposta ir à frente, nós estaremos estimulando porque, com 33 milh√Ķes de doses de gra√ßa, ajudaria e muito a economia e para aqueles que queiram se vacinar o fa√ßam para ficar livre do v√≠rus", disse Bolsonaro.

O presidente explicou que, na semana passada, o governo foi procurado por empres√°rios para que fossem importadas 33 milh√Ķes de doses da vacina de Oxford.

Desse total, metade seria incorporada ao Sistema √önico de Sa√ļde (SUS), e disponibilizada à popula√ß√£o de acordo com os critérios do Ministério da Sa√ļde, e a outra metade seria utilizada pelas empresas de acordo com critérios próprios. Segundo o presidente, o governo assinou uma carta de inten√ß√£o favor√°vel à medida.

"J√° somos o sexto pa√≠s que mais vacinou no mundo, brevemente estaremos nos primeiros lugares, para dar mais conforto à popula√ß√£o, seguran√ßa a todos e de modo que a nossa economia n√£o deixe de funcionar", disse, destacando que o governo editou medida provisória, no ano passado, destinando R$ 20 bilh√Ķes para a compra de vacinas.

Atração de investimentos

Durante seu discurso, Bolsonaro reafirmou o compromisso com o teto de gastos p√ļblicos e disse que o governo quer acelerar as privatiza√ß√Ķes e reformas para incentivar e facilitar o trabalho da iniciativa privada na recupera√ß√£o da economia, após a crise gerada pela pandemia de covid-19.

"Manteremos firme o compromisso com a regra do teto de despesas como √Ęncora de sustentabilidade e credibilidade econômica. N√£o vamos deixar que medidas tempor√°rias relacionadas com a crise se tornem compromissos permanentes de despesas. Nosso objetivo é passar da recupera√ß√£o baseada no apoio ao consumo para um crescimento sustentado pelo dinamismo do setor privado", disse.

Segundo o presidente, o trabalho desenvolvido pelo governo visa à atra√ß√£o de investimentos estrangeiros diretos, principalmente para projetos priorit√°rios na √°rea de infraestrutura.

"Pretendemos acelerar os leil√Ķes de concess√Ķes e privatiza√ß√Ķes, em especial no √Ęmbito do Programa de Parcerias de Investimentos, o PPI, que tem uma carteira de projetos estratégicos de longo prazo, baixo risco e com taxas de retorno atraentes e est√°veis", frisou.

Mudanças

Além disso, Bolsonaro afirmou que entende os problemas estruturais da ind√ļstria brasileira e global e disse que est√° empenhado em realizar mudan√ßas nesse setor "com pensamento estratégico e redefini√ß√£o de v√≠nculos das cadeias produtivas globais".

A agenda de reformas no Congresso Nacional e a ascens√£o do Brasil à Organiza√ß√£o para a Coopera√ß√£o e Desenvolvimento Econômico (OCDE) também continuam como prioridades na agenda do governo federal, segundo o presidente.

"Seguiremos defendendo a ampla concorr√™ncia, o livre comércio, a moderniza√ß√£o do Estado, os valores democr√°ticos e o combate implac√°vel à corrup√ß√£o. J√° estamos vendo reflexos muito positivos e contamos com apoio da iniciativa privada para consolidarmos um novo ciclo de desenvolvimento e prosperidade em nosso pa√≠s. Contem com nosso empenho para trilhar o caminho da abertura econômica e facilita√ß√£o dos comércios e investimentos", disse.