Cresce o número de lesões por prática esportiva sem orientação na pandemia

Foto: Pixabay - Nenhuma violação de direitos autorais pretendida

Foto: Pixabay - Nenhuma violação de direitos autorais pretendida

Apaixonado por corrida, Pedro Marques, de 44 anos, interrompeu a pr√°tica do esporte durante o per√≠odo de quarentena. Recentemente, resolveu retomar o h√°bito de forma intensa e o resultado foi diagnóstico de hérnia de disco. Ele conta que mesmo sabendo que deveria ter voltado aos poucos, estava querendo tanto "tirar o atraso" e acabou se machucando. "Um dia estava correndo e comecei a sentir dores no lado esquerdo do corpo, fiz uns exames e isso me deixou muito assustado porque o médico me pediu exame para leucemia e esclerose m√ļltipla. Gra√ßas nenhum problema, mas tive les√Ķes nas costas, hérnia de disco bico de papagaio. Estou me tratando, fazendo fisioterapia, tenho que me cuidar."

O isolamento social e outras medidas fizeram com que muitas pessoas virassem sedent√°rias ou se tornassem ainda mais sedent√°rias. Além do aumento do peso pela falta de movimenta√ß√£o, os médicos t√™m notado também o crescimento de queixas de les√Ķes musculares, tanto naquelas pessoas que praticam exerc√≠cios com a ajuda da internet, como naquelas que decidiram correr na rua. O neurocirurgi√£o do Hospital Albert Einstein Marcelo Valadares diz que tem visto muitos pacientes, entre jovens e idosos, com problemas que v√£o desde les√Ķes musculares mais simples até fraturas em raz√£o do novo h√°bito.

"O n√ļmero de pacientes com les√Ķes das mais diversas poss√≠veis, sejam les√Ķes musculares, de coluna, de joelho, aumentou muito. As pessoas precisam ter consci√™ncia que fazer atividade f√≠sica n√£o é algo t√£o simples. Uma caminhada é muito tranquila, mas se voc√™ quiser come√ßar a correr, nadar, ou praticar esportes poss√≠veis nesse momento, é preciso ter uma orienta√ß√£o especializada", disse. De acordo com o neurocirurgi√£o, amadores que come√ßam a realizar atividade f√≠sica tem risco até 21% de les√Ķes em atividades. Em corrida, o n√ļmero sobe pra 83% se n√£o forem supervisionados por um profissional qualificado.

*Com informa√ß√Ķes do repórter Victor Moraes