Jovem é atraído e executado por criminosos em Iranduba

Foto: Divulgação - Nenhuma violação de direitos autorais pretendida

Foto: Divulgação - Nenhuma violação de direitos autorais pretendida

Após cair em uma suposta "casinha", quando a vítima é atraída para uma emboscada, Nivaldo da Silva Ramos, de 27 anos, foi assassinado a tiros, na noite de terça-feira (20), na rua do Igarapé, bairro Alto de Nazaré, em Iranduba. Conforme relatos de testemunhas, três criminosos chegaram ao local de lancha, mas apenas um saiu do barco, foi na direção da vítima e efetuou os disparos.

Após efetuar os tiros, o criminoso voltou para a embarcação e fugiu com os comparsas. Moradores do local ligam o assassinato ao tráfico de drogas, pois, segundo eles, Nivaldo tinha envolvimento com atividades ilícitas. A vítima também já tinha passagem pela polícia.

Nivaldo ainda foi socorrido por familiares e levado para o Serviço de Pronto Atendimento (SPA) Joventina Dias, na Compensa, mas não resistiu e morreu. O corpo foi removido para o Instituto Médico Legal (IML). O crime será investigado pelo 31º Distrito Integrado de Polícia (DIP) de Iranduba.

Morto por engano

Também em Iranduba, no último domingo (18), Wilkson Maciel Garcez, 23 anos, foi assassinado a tiros, após traficantes acreditarem que ele estava acobertando a fuga do membro de uma facção criminosa. O crime aconteceu na rua Sabiá, bairro Novo Amanhecer, localizado no centro do município.

De acordo com o Boletim de Ocorrência (BO) registrado na 31ª Delegacia Interativa de Polícia (DIP) de Iranduba, a esposa de Wilkson compareceu ao DIP para comunicar que estava dormindo com o marido,Wilkson Maciel, quando um homem, conhecido apenas como "Samuel", entrou na casa arrombando a porta da frente. Ele estava fugindo de criminosos.

Entretanto, o grupo de traficantes viu ele entrar na casa de Wilkson e também entrou na casa e questionou a vítima sobre o fugitivo.

Wilkson negou qualquer envolvimento com o homem que estava fugindo, mas, mesmo assim, os criminosos, conhecidos apenas como "Cuca" e "Gato", não tiveram piedade e atiraram nele por acreditarem que ele era membro de uma facção criminosa rival e estava ajudando Samuel a fugir.