Queima de estoque movimenta comércio no início do ano em Manaus

Foto: Carlos Araújo - Nenhuma violação de direitos autorais pretendida

Foto: Carlos Araújo - Nenhuma violação de direitos autorais pretendida

Assim como em anos anteriores, 2022 começa com o manauara aproveitando as grandes liquidações, queimas de estoque e saldão de diversas lojas. Por outro lado, os lojistas também aproveitam para vender os produtos remanescentes das festas de fim de ano e adquirem novos, proporcionando ao consumidor a oportunidade de descontos em até 50% nas compras.

As ofertas são as mais variadas. No centro da capital Amazonense, a estudante Ana Cecília, 22 anos, fazia uma pesquisa de preços em lojas de eletrodomésticos à procura de um aparelho celular. Segundo ela, a meta era unir a qualidade do produto, com um preço acessível.

"Hoje, um aparelho celular é imprescindível para estudar e trabalhar. Não quero uma marca muito cara. Quero algo que dê conta do serviço. Espero achar na minha pesquisa, porque quero algo em conta, mas com qualidade. Até agora, já fui em quatro lojas e já sei o smartphone que vou levar, com um bom desconto", afirma

Rafael França, 57 anos, é autônomo e estava levando a esposa, a dona de casa Marcela Matos, 29 anos, para aproveitar as promoções de queima de estoque. De acordo com ele, este é um momento que o casal se programa todos os anos.

"Já esperamos e economizados para isso. Ano passado, minha esposa queria uma batedeira nova e uma máquina de lavar. Agora, vai querer uma TV nova para o nosso quarto. A gente junta e vem as compras", diz.

Depois do relato, Marcela, a esposa, dispara: "Só na cabeça dele que vou viver só de comprar panela, máquina e viver em boca de fogão feito uma escrava. Eu quero uma TV nova, um celular e uns vestidos e preparei o cartão, porque vou comprar, que está barato", desabafa, aos olhos atônitos do marido.

O aposentado Januário Mesquita, 68 anos, caminhava atento às vitrines das lojas no Centro de Manaus. O que buscava? Roupas novas para ir passear na casa da filha, que mora em Iranduba (distante 30 quilômetros de Manaus).

"Vou chegar lá bonito e quero usar umas blusas esportivas, porque posso ser velhinho, mas meu espírito é muito jovem", brinca.

Expectativa

Quem vende também está empolgado para eliminar o estoque e ganhar a confiança do consumidor com produtos de qualidade. Kátia Moura, 34 anos, é gerente de uma loja de sapatos. Ela conta que é o momento de proporcionar boas promoções e não perder os lucros da empresa.

"Procuramos tratar nosso consumidor como amigo, como alguém que veio para somar e ele tem direito às melhores promoções e ofertas. Estamos com 50% em muitos pares de tênis, sapatos, meias e diversos acessórios. Nesse momento que a gente está lutando contra uma pandemia é preciso equilíbrio, baixo preço para vender os estoques de fim de ano e o cliente e nós saímos ganhando", comentou.

Quem também está aproveitando para caprichar no atendimento e atrair clientes para a butique em que trabalha, na avenida Eduardo Ribeiro, é a vendedora Karen Neves, 26 anos.

"Graças a Deus a gente vende bastante e estamos com novas promoções dos vestidos de dezembro último, queimando o estoque para chamar mais o público. Tudo saindo pela metade do preço e tem vários estilos. Vendemos muito e esperamos esse público maior devido a quebra de preços em janeiro, já que muitas pessoas seguraram o dinheiro para gastar neste período", explica.

CDLM vê período como positivo

O presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Manaus (CDLM), Ralph Assayag, explica que a prática é comum no comércio para que os lojistas possam sempre manter as finanças equilibradas.

"Primeiro tem que se pagar um volume muito grande de impostos logo em janeiro e fevereiro e, também, aqueles estoques que você tem que guardar por um ano ou, às vezes, por seis meses é melhor queimar, desfazer, pegar o dinheiro e fazer novos negócios. Aqueles estoques, ainda, que se comprou e, por alguma situação, comprou errado ou em quantidade ou em tipo do produto que a população não gostou. Então é melhor queimar, fazer alguma coisa, às vezes até abaixo do custo para que os novos produtos deem uma nova ênfase dentro da loja. Às vezes, aquele produto de cor vermelha que não saiu, sai. Todo mundo vai tentar queimar o máximo para fazer dinheiro, pagar suas contas e fazer um novo estoque", afirma.

Concordância

Especialistas também concordam com a positividade das queimas no início de ano, como forma de minimizar os prejuízos obtidos com algum produto não vendido. De acordo com o economista Orígenes Martins Filho, é importante criar esses atrativos ao consumidor. "Aí você muda as coleções, moderniza as mercadorias, entende que determinados produtos não venderam bem e muda o seu viés. Então, essas promoções são extremamente importantes para o comércio em geral. Ganha o consumidor pelo preço, ganha o comerciante, por ter a oportunidade de se livrar do seu estoque e modernizar o seu produto", explica.